Se definir um nicho, irei perder mercado?

 

O coaching é uma atividade densa e recheada de segmentos diferenciados de mercado, onde conhecer os meandros de uma determinada matéria é essencial. Aliás, essa é a verdadeira diferença que um profissional da área consegue exercer quando confrontado com um determinado problema.

Com efeito, muitos dos indivíduos ou empresas que recorrem a estes serviços estão à procura de alguém especializado e que, no fundo, conheça todas as respostas às dificuldades e dilemas que têm pela frente.

Assim, deves optar sempre por estreitar o teu público a um nicho de mercado. Neste paradigma, o investimento em novas competências, formações e marketing pessoal é absolutamente inevitável para prosperar.

À primeira vista, segmentar o público para um nicho de mercado pode parecer uma manobra de encurtar de opções e, por conseguinte, perder clientes. Se estás a começar uma carreira no coaching, este tipo de pensamento faz algum sentido numa parte muito embrionária do teu percurso.

Enquanto não tens experiência, networking (contactos) e, no fundo, um portefólio de trabalhos para mostrar, é normal que o teu raio de ação seja um pouco mais alargado e sejas obrigado a operar em vários ramos. À medida que a tua carreira amadurece, isto deixa de fazer sentido.

Tal como acontece em todos os setores de atividade, aquilo que é raro acaba por ser mais caro. O Cristiano Ronaldo ganha uma enormidade de dinheiro, porque não há mais ninguém como ele. Os violinos Stradivarius são mais caros do que os restantes, porque soam melhor. Da mesma forma que se quisermos comer num restaurante temático com estrelas Michelin temos de pagar mais.

No coaching acontece a mesma coisa. Um coach com conhecimentos muito específicos acerca de uma temática e que só lida com casos parecidos ou iguais é um profissional mais apto para resolver uma série de problemas que já conhece de ginjeira.

Aliás, basta colocar a questão ao contrário: se estivesses ao leme de uma startup tecnológica e tivesse a hipótese de contratar um coach financeiro especializado em web 3.0 e empresas de pequena dimensão, iria contratar um simples coach financeiro se m especialidades? Pois, eu também não.

Um coach vende conhecimentos e tempo. Ora, ao ter a possibilidade de cobrar mais por cada trabalho, o profissional está a incrementar a sua margem de lucro, ou seja, gasta menos tempo para fazer mais dinheiro. A própria eficiência do serviço prestado tende a subir, já que existe uma especialização na área de atividade.

Outra das vantagens prende-se com a própria perspetiva de carreira, já que se estreita o campeonato em que se joga. Acaba por ser uma questão de enquadramento, mas é preferível ser o melhor de um universo estreito do que um num milhão.

De resto, tornar-se uma referência num determinado segmento fará com que todo o processo profissional se facilite, começando logo na otimização entre oferta e procura, uma vez que os clientes irão ter contigo. Ter o teu nome na cabeça dos potenciais clientes do segmento em que operas; o melhor ativo que poderás ter em termos laborais.

 

Um grande Abraço,
Eduardo Torgal